Crítica: Naked (Nu 2017)

em

The story so far: Rob is about to get merried to a great, intelligent and caring woman; Megan, the bride, is the only child of a very rich and powerful man; Reginald Swope.

Rob is everything but a responsible man and every single person at the wedding wonders what she sees in him. Now he has the chance to change that, since he is trap on time loop….naked!

hero_Naked-2017-1.jpg

Sinopse.

Rob esta prestes a se casa com uma mulher linda e inteligente; Megan, sua noive, é a única filha de um poderoso e rico empresário, Reginald Swope, um homem sério, que duvida que seu genro pode ser um marido exemplar.

No casamento todos se perguntam o que Megan viu em Rob. Agora ele terá a chance de mudar sua vida pois se encontra preso em um loop temporal, repetindo o mesmo dia repetidas vezes….nu!

NKD_13.jpg

Crítica.

Michael Tiddes é um jovem diretor que, primordialmente, trabalha com comédias. Este é seu quarto filme do gênero com Marlon Wayans, uma parceria que começou com a paródia de filmes de terror Inatividade Paranormal 1&2 (A Hauted House 1&2) e se estendeu por mais dois filmes: 50 tons de Preto e Nu.

E_MarlonWayansNaked_081117.jpg

 

Dirigir um filme dos irmãos Wayans é uma tarefa árdua; os filmes são inteiramente focado nos protagonistas. Os demais personagens são somente elementos para complementar piadas. Muitos aparecem somente uma vez, para compor uma cena, e somem sem a menor explicação.

Trabalhar somente com um personagem a ser desenvolvido trás problemas quase impossíveis de serem solucionados. O filme se torna monótono e repetitivo. O roteiro de Rick Alvarez (parte da equipe que acompanha os irmãos Wayans em vários filmes) adaptado da história de Mårten Knutsson, é obtuso e se sustenta quase inteiramente no carisma, um tanto desgastado, de Marlon Wayans. 

Por se tratar de uma adaptação o filme se distância da versão original, Naken (2000), uma comédia sueca; mas mantem os mesmos clichês e limitações de um filme com somente um personagem a ser desenvolvido.

 

naked-teaser.jpg

Tecnicamente o filme tem a qualidade de todas as produções da Netflix mas se comparado com outras produções recentes, Nu não passa de uma produção regular, sem nenhuma marca interessante na fotografia, efeitos, maquiagem ou figurino.

 

maxresdefault (1).jpg

 

Marlon Wayans parece de fato preso em um loop temporal. Ele repete aqui todos os maneirismos conhecidos do seu estilo de comédia. Caras engraçadas, piadas físicas, aonde o personagem se machuca sem muita consequência, um ou outro resquício das piadas sexistas da década de 90 fazem parte do repertório da sua atuação.

maxresdefault.jpg

 

Sem o que apresentar de novo, o filme relega a um bom elenco de coadjuvantes poucas cenas engraçadas ou ate mesmo significativas. Regina Hall que tambem trabalhou com Wayans em outras comédias é somente um elemento figurativo e Dennis Haysbert, apesar de ter as melhores e mais significativas cenas, é somente um elemento para desenvlver a história do personagem principal.

Soundtrack.

Mesmo contando com a presença de Brian Mcknight, o filme não tem trilha sonora.

Veredito.

NKD_8.jpg

 

Feitiço do Tempo\Groundhog Day é o filme de loop temporal que estabeleceu o padrão para todos os outros; infelizmente Nu é somente uma releitura deste gênero, sem nenhum atrativo realmente significativo.

Merece 2 Clapping Kanes, um filme fácil de esquecer.

slow_clap_citizen_kane slow_clap_citizen_kane

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s