Crítica- The outcast

Sinopse.

Lewis Aldridge (Finn Elliot ) cresceu em uma típica família inglesa e mesmo não tendo muitos amigos, podia contar com Elizabeth (Hattie Morahan), sua mãe, uma figura carinhosa e onipresente,pois tentou compensar a ausência do pai, Gilbert (Greg Wise ) que estava na guerra. Agora, com a capitulação dos nazistas, a família se vê reunida e tudo parece inabalavelmente idílico.

Contudo, após um acidente, a família Aldridge desmorona, os vínculos frágeis entre pai e filhos se rompem e Lewis precisa aprender a lidar com uma nova realidade.

Crítica.

The outcast apresenta um desafio interessante para o crítico. Tecnicamente é uma típica série da BBC: o roteiro é bem escrito mas basal e faz uso intenso de clichês (como a mãe excessivamente amorosa e o pai distante), a direção de Iain Softley, responsável por filmes com Coração de Tinta, K Pax e Hackers (o filme que lançou Angelina Jolie) e sua marca visual é notada logo nos primeiros minutos da série, mas existe uma rigidez na forma como a história é contada que chega a ser previsível, outro reflexo de um roteiro que se sustenta com clichês.

A fotografia é belíssima, o uso de luz natural ajuda a ambientar a série, que foi filmada inteiramente em locações no interior da Inglaterra mas assim como o roteiro, não apresenta novidade alguma e apesar de evitar takes muito fechados é estática demais.

A primeira parte da série tem um bom ritmo, ajuda a construir a relação e motivação dos personagens alem de estabelecer muitos dos conflitos e motivações. Contudo, a segunda etapa, quando Lewis é interpretado por George MacKay, a dinâmica muda muito e de fato temos um drama que merece ser visto.

Os erros do roteiro se repetem mas a fotografia ganha em agilidade. A direção permite que a história ocorra com mais fluidez ao migrar o foco dos conflitos da relação pai-filho para os conflitos internos de Lewis.

Filmose sabe que The outcast tem um público alvo específico: pessoas que gostam de drama de época, com um ritmo mais cadenciado e sem muitas surpresas (na verdade com certa previsibilidade) mas uma história cativante, apesar de não ser inédita.

Disponível para download e em sites de stream.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s